Filipe La Féria


Iniciou a sua actividade teatral, em 1963, como actor no Teatro Nacional, com Amélia Rey Colaço tendo ainda integrado as companhias do Teatro Estúdio de Lisboa, Teatro Experimental de Cascais e Teatro da Cornucópia. Foi director do Teatro da Casa da Comédia, durante 16 anos, onde encenou, entre outros, "Faz Tudo, faz tudo, faz tudo!”, “A Paixão Segundo Pier Paolo Pasolini", "A Marquesa de Sade", "Eva Péron", "Savanah Bay", "A Bela Portuguesa", "Electra" ou a "Queda das Máscaras", "Noites de Anto" e "A Ilha do Oriente", revelando autores como Marguerite Yourcenar, Mishima, Marguerite Duras ou Mário Cláudio.

He began his theatrical activity in 1963 as an actor in the National Theater, with Amélia Rey Colaço having also integrated the companies of the Teatro Studio de Lisboa, Teatro Experimental de Cascais and Teatro da Cornucópia. He was director of the Teatro da Casa da Comédia, during 16 years, where he staged, among others, "Faz Tudo, faz tudo, faz tudo!", “A Paixão Segundo Pier Paolo Pasolini", "A Marquesa de Sade", "Eva Péron", "Savanah Bay", "A Bela Portuguesa", "Electra" ou a "Queda das Máscaras", "Noites de Anto" and "A Ilha do Oriente", revealing authors such as Marguerite Yourcenar, Mishima, Marguerite Duras or Mário Cláudio.

Filipe La Féria portrait

Em 1990 escreve e encena "What Happened to Madalena Iglésias" e aceita o convite como autor, encenador e cenógrafo de "Passa por Mim no Rossio" no Teatro Nacional D. Maria II, encenando, posteriormente no mesmo Teatro, "As Fúrias de Agustina Bessa-Luís". Dirige, em Bruxelas, o espectáculo inaugural da Europália (1991), e em Sevilha, o Dia de Portugal na Expo Sevilha’92.

Estudou encenação em Londres como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e foi professor universitário durante mais de uma década, onde regeu a cadeira de "Arte e Imagem" na Universidade Independente. Foi premiado várias vezes pela crítica da Casa da Imprensa, Secretário de Estado da Cultura e vários órgãos de comunicação social como autor, encenador e cenógrafo. No décimo aniversário do 25 de Abril, a Associação Portuguesa de Críticos premeia-o como uma das personalidades que mais se destacaram no Teatro. Foi condecorado Comendador com a Ordem do Infante D. Henrique pelo Presidente da República, Dr. Mário Soares e em 2006 recebe nova condecoração, a Grã-Cruz da Ordem do Infante, atribuída por outro Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, tendo ainda sido condecorado com a Medalha de Ouro da cidade de Lisboa.

Ganhou os Globos de Ouro dos melhores espectáculos com "Amália" no ano de 2000, "My Fair Lady" em 2003, "Música no Coração" em 2006 e "West Side Story" em 2009. Entre os muitos musicais que já escreveu, adaptou e encenou peças como "Passa por Mim no Rossio", "Maldita Cocaína", "Música no Coração", "Amália", "My Fair Lady", "A Canção de Lisboa", "West Side Story", "Jesus Cristo Superstar", "Um Violino no Telhado", "Piaf", "A Gaiola das Loucas", "Annie" e "Fado - História de um Povo".

Na área infantil, destacam-se peças como "A Menina do Mar" de Sophia de Mello Breyner Andresen, "Alice no País das Maravilhas" de Lewis Carroll, "A Estrela" de Virgílio Ferreira e "O Principezinho", o célebre livro de Antoine Saint-Exupéry. Em 2009, faz a adaptação para teatro do clássico do cinema "O Feitiçeiro de Oz" e um ano depois, a adaptação da série televisiva "O Sítio do Picapau Amarelo" num espectáculo visto por milhares de crianças que regressaram ao Teatro Politeama para assistirem ao musical infanto-juvenil, "Pinóquio", no mesmo ano em que faz a revisão da sua carreira em "O Melhor de La Féria" no Casino Estoril e encena "Judy Garland - O Fim do Arco-íris" e "Uma Noite em Casa de Amália", um texto de sua autoria.

Vinte anos depois de revolucionar o teatro musical com o histórico "Passa por Mim no Rossio", regressou a este género tão querido do público português com um musical que passa em revista a nossa actualidade política, económica e social com uma crítica acutilante e mordaz, plena de humor e música, e uma coreografia arrojada na comemoração dos 100 anos do Politeama num espectáculo que revisitou a arte de ser português: uma "Grande Revista à Portuguesa" que lhe valeu o Prémio de Homem do Ano na área do Teatro da Revista GQ. Após o sucesso de "Portugal à Gargalhada", "A República das Bananas", “As Árvores Morrem de Pé” de Alejandro Casona com os mais notáveis actores portugueses e “O Musical da Minha Vida” que esgotou todas as sessões no Casino Estoril. Filipe La Féria estreia agora “Amália” que foi apresentado ao longo de 6 anos com 3 milhões de espectadores.

In 1990 he wrote and staged "What Happened to Magdalena Iglésias" and accepted the invitation as an author, director and set designer of "Passa por Mim no Rossio" at the D. Maria II National Theater, staging, later in the same Theater, "As Fúrias de Agustina Bessa-Luís". He directs in Brussels the inaugural show of Europália (1991), and in Seville, the Day of Portugal at the Expo Seville'92.

He studied acting in London as a fellow of the Calouste Gulbenkian Foundation and was a university professor for more than a decade, where he ruled the "Art and Image" chair at the Independent University. He has been awarded several times by the critic of Casa da Imprensa, Secretary of State for Culture and several media as author, director and set designer. On the tenth anniversary of April 25, the Portuguese Association of Critics awards him as one of the most outstanding personalities in the Theater. He was awarded the Order of Infante D. Henrique by the President of the Republic, Dr. Mario Soares, and in 2006 he received a new decoration, the Grand Cross of the Order of the Infante, awarded by another President of the Republic, Dr. Jorge Sampaio. was awarded the Gold Medal of the city of Lisbon.

Won the Golden Globes of the best shows with "Amália" in the year 2000, "My Fair Lady" in 2003, "Música no Coração" in 2006 and "West Side Story" in 2009. Between the many musicals he has written, adapted and staged pieces such as "Pass Me by Rossio", "Maldita Cocaína", "Música a Coração", "Amália", "My Fair Lady", "A Canção de Lisboa", "West Side Story "," Jesus Christ Superstar "," A Violin on the Roof "," Piaf "," A Gaiola das Loucas "," Annie "and" Fado - a História de um Povo ".

In the children's area, such as "A Menina do Mar" by Sophia de Mello Breyner Andresen, "Alice in Wonderland" by Lewis Carroll, "A Estrela" by Virgílio Ferreira and " The Little Prince, " the celebrated book of Antoine Saint-Exupéry. In 2009, he adapts to the theater the classic film "The Sorcerer of Oz" and a year later, the adaptation of the television series "The Yellow Flapper" in a show seen by thousands of children who returned to Teatro Politeama to watch the "Pinocchio", in the same year that he reviews his career in "The Best of La Feria" at Casino Estoril and staged "Judy Garland - O fim do Arco-Iris" and "Uma Noite em Casa de Amália ", a text of its authorship.

Twenty years after revolutionizing musical theater with the historic "Passa por Mim no Rossio", he returned to this beloved genre of the Portuguese public with a musical that looks at our current political, economic and with a sharp and mordant criticism, full of humor and music, and a bold choreography in the celebration of the 100 years of the Politeama in a show that revisited the art of being Portuguese: a "Grande Revista à Portuguesa" that earned him the Man Year in the Theater area of ​​GQ Magazine. After the success of "Portugal a Rir", "A República das Bananas", "As Árvores Morrem de Pé" of Alejandro Casona with the most notable Portuguese actors and "O Musical da Minha Vida" that exhausted all the sessions in Casino Estoril. Filipe La Féria's debut "Amalia" was presented over 6 years with 3 million viewers.